Menu principal

31 janeiro, 2011

A Amizade verdadeira tem preço sim: 134 mil.

Por Rodrigo Lobato


No embalo do artigo “Façam mais amigos” da Flaviana Souza, aproveito para falar sobre a matéria de capa da Super Interessante deste mês: “Amizade. Porque é impossível ser feliz sozinho”.
A matéria aborda diversos assuntos relacionados ao nosso círculo de amizade, mas o que mais me chamou atenção foi a relação que a Camilla Costa e o Bruno Grattoni (redatores da revista) fizeram com o nosso crescimento profissional.
O economista Andrew Oswald (Universidade de Warwick) estudou o comportamento das pessoas no trabalho (fora dele também, claro) e concluiu que fazer um novo amigo equivale, em média, a receber 134 mil reais a mais de salário anual. Oi, quer ser meu amigo verdadeiro?
Brincadeiras à parte, não vá sair por aí que nem um Big Brother da vida pedindo amigos! Particularmente acho que isso não funcionaria. A não ser que você o convença que o salário dele aumentará em 134.000.
Mas quem foi que disse isso?
A Ocitocina. Já ouviu falar dela? É um hormônio que está relacionado com a reprodução. Quando fazemos novos amigos também liberamos este hormônio em nosso cérebro.
Bom, aí vai outro dado estranho: Quem tem um amigo no trabalho se sente 7 vezes mais envolvido com o que faz, 50% mais satisfeito e até duas vezes mais contente com o pagamento que recebe. Quem tem 3 ou mais amigos têm 96% de chance de estar satisfeitas com a vida.
Então, aí vai a dica:
Valorize os elos entre seus funcionários. Faça questão de fazer uma festa de fim de ano inesquecível. Colabore para a interação através de Happy Hours, Cafeterias, Karaokês semanais, Redes sociais internas. Faça o que for preciso para que amizades verdadeiras sejam criadas dentro do ambiente de trabalho, mesmo porque a maior parte dos seus dias você passa dentro dele. Mas também mantenha um olho no peixe e outro no gato, pois se não vira farra.

28 janeiro, 2011

Palestra de Gasparetto na Vida e Consciência.

Por Rodrigo Lobato.

Houve um churrasco de família no domingo em minha casa. Eu, curioso e ansioso que sou, aproveitei a ocasião para perguntar zilhares de coisas aos meus parentes. Dúvidas, medos, receios, frustrações, como será meu futuro?
Foi aí que meu primo resolveu se impôr e dizer:

- Rodrigo, você quer um conselho? Você pergunta demais... Assista à uma palestra do Gasparetto.

Eu fui pesquisar.
O cara é um fenômeno. Eu não sou espiríta e peço que você também não o veja com os olhos de uma rapaz doutrinador. Assim como tudo na vida, selecione o que você acha útil e exclua o que você não crê.

Assista ao vídeo da entrevista no Jô:




Em uma das suas mais famosas palestras, ele nos ensina como podemos ser nossos próprios psicólogos.
Quem tiver interesse, acesse o link !

Bom fim de semana a todos!

27 janeiro, 2011

Façam mais amigos

Por Flaviana Souza

Há um tempo, não muito distante, para se conseguir um bom emprego, ou um simples emprego, era preciso ter no currículo uma ótima formação e experiência, mas hoje... Hoje você precisa ter amigos!

Nunca o QI esteve tão na moda. Mas o que é importante ressaltar é que a sigla mudou de significado, atualmente o QI nada mais é do que Quem Indica, ou seja, de quem você é amigo. Sim, hoje as suas amizades são essenciais para o mercado de trabalho. Junto com a alteração do significado do QI veio uma palavrinha estrangeira: networking. E o significado desta pode ser resumido em uma frase, quanto maior sua rede de contatos, maior a chance de conseguir uma boa colocação profissional.

A experiência e formação ainda têm um grande peso na escolha do profissional, mas as amizades dão um empurrão maior. Faça o teste, mostre o currículo de algum amigo seu para seu chefe, mas não revele que é seu amigo. Veja a reação dele, depois, conte que faz parte do seu networking. A diferença é nítida. Não é garantia de contratação, mas com certeza o currículo será estudado com outros olhos.

Por isso, façam mais amigos!

Para ilustrar, encontrei um vídeo esclarecedor e o mesmo tempo divertidíssimo que aborda o assunto. Trata-se de um trecho da entrevista com o administrador de empresas e escritor Max Gehringer no programa Jô Soares. 

26 janeiro, 2011

Porque ao crescer perdemos nossa criatividade?

Graças, principalmente, à televisão, hoje as crianças têm mais informação sobre coisas e lugares, mas menos experiência concreta. Na verdade, conhecem mais e compreendem menos. O contato direto que, no passado, a criança tinha com a agricultura, por exemplo, ensinava-lhe que a vida é um processo com começo, meio e fim. Em virtude de sua rápida sucessão de imagens, a televisão destrói esse senso de processo e dá a ilusão de que as coisas apenas acontecem.

Raramente a criança tem a oportunidade de descobrir de onde vêm as coisas que utiliza, e muito menos como são feitas. “O refrigerante vem em latas; a pipoca, em pacote que se leva ao microondas”. A criança não tem como avaliar o tempo e o trabalho gastos nas lavouras e na criação das vacas que dão o leite que ela bebe.

Em minha opinião, as crianças que moram na roça são ótimas em resolver problemas, porque estão acostumadas a observar os pais improvisando quando algo dá errado. Se um boi de uma tonelada teima em não entrar no caminhão, eles não vão chamar um especialista em movimentação de bois, procuram um jeito de resolver o problema eles mesmos.

O que aprendo com isso?


Nossa experiência de criatividade na infância é responsável por muito do que fazemos na idade adulta. Então, a primeira exigência para nos tornarmos adultos criativos é enriquecermos as novas gerações de crianças de muita, muita experiência.


Prof. Menegatti é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro "Desperte seu Potencial Emocional", CD Motivacional "Marcado para Vencer", DVD "Campeão de Vendas". A cada palestra, o Prof. Menegatti vem conquistando platéias de norte a sul do país. Contatos: www.menegatti.srv.br - menegatti@menegatti.srv.br

21 janeiro, 2011

Aquele Abraço


Envolver alguém nos braços, e ser acolhido de volta, dá um enorme bem-estar. Memórias do corpo vinculam o gesto à sensação de proteção da época em que éramos bebês de colo. E o organismo responde, o abraço diminui a pressão arterial e esse carinho reduz os hormônios do estresse, fortalece a imunidade e tem efeito analgésico. Em tempo de tapinhas nas costas, não tem quem abraçar? Improvise.


Nascido na Austrália, o movimento Abraços Grátis (www.freehugscampaign.org) acontece, sem hora marcada, em todo o mundo – Basta escrever a oferta num cartaz e abrir os braços.
Não importa quem você abraça. Desde que abrace.

20 janeiro, 2011

A renovação dos Minutos de Sabedoria

Por Flaviana Souza 

Antigamente era comum a maioria das pessoas ter um livrinho de bolso chamado Minutos de Sabedoria, e sempre que precisava de conforto por algum motivo, de uma luz no fim do túnel, ou simplesmente uma palavra amiga, abria seu livro e lia um pensamento. Atualmente, a correria é tanta e com todas as opções que a tecnologia permite (celulares, Ipods, Ipads, Mp3, Mp4, Mp5...) esse conforto é procurado de outra forma.
Quem nunca viu uma mensagem (otimista, pessimista, para se pensar...) nos nicknames ou espaços de compartilhamento de mensagens pessoais do Orkut, Facebook, Msn, Skype, Linkedin etc? A maneira como as frases são buscadas e aceitas mudou, mas não fez com que fossem esquecidas. Isso prova que as pessoas ainda necessitam de um conselho (mesmo que partam de quem nunca viram, muito menos conhecem) para se motivarem.

Compreendendo essa nova e velha necessidade, resolvi brincar com algumas frases famosas de filmes. Começando por “A diferença entre Homens e Garotos está nas lições que cada um aprende” (Corridas Clandestinas). E nunca é tarde para aprender ou apostar em algo novo, pois “Às vezes a idéia mais simples faz a maior diferença” (A Corrente do Bem). E caso não dê certo, não se aflija, “Não deixe o medo de errar impedir que você jogue” (Nova Cinderella). Aconteça o que acontecer lembre-se sempre que “Tudo é possível. O impossível apenas demora mais” (Dan Brown) e que “A vitória pertence àquele que acredita nela, e àquele que acredita nela por mais tempo” (Pearl Harbor). 

Acredite, vença!

19 janeiro, 2011

Um time campeão...

Com 12 apóstolos, Jesus criou a maior, a mais longa, a mais rica e a mais popular organização do mundo. As escolhas foram feitas não com base na aparência e atração pessoal, mas partindo do princípio da diversidade de talentos, temperamento, experiência, porque Jesus sabia que pessoas heterogêneas tornam uma equipe bem mais forte.

Veja o perfil de alguns dos discípulos que assessoraram Jesus:

ANDRÉ: Empresário. Era sócio no negócio de secagem de peixes.

MATEUS: Era um bom homem de negócios. Adaptava-se bem a qualquer meio social, e havia sido dotado com a capacidade de fazer amigos e de se dar muito bem com uma grande variedade de pessoas. Era um eficaz homem de propaganda e angariador de dinheiro.

TOMÉ: Era cético, mas leal e um líder da aldeia onde vivia. Apesar da pouca instrução, possuía uma mente perspicaz e de bom raciocínio. Possuidor da única mente de fato analítica dos doze, Tomé era realmente o cientista do grupo.

PEDRO: Tinha sido mercador. Ele era um organizador muito eficiente das atividades de diversão e recreação dos doze. Enfim, sua função era de motivador do grupo.

Jesus não possuía um departamento de marketing, logística ou vendas, mas era possuidor de uma visão estratégica fantástica. Ele poderia ter recrutado alguns dos maiores conhecedores das leis de Deus, mas Sua visão não sairia das paredes da sinagoga.

É verdade que um dos doze o traiu, mas quem de nós teria a capacidade de acertar nas escolhas e decisões onze vezes em cada doze? Se nós tivéssemos essa capacidade com certeza seríamos as pessoas mais bem-sucedidas do planeta.



Prof. Menegatti é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro "Desperte seu Potencial Emocional", CD Motivacional "Marcado para Vencer", DVD "Campeão de Vendas". A cada palestra, o Prof. Menegatti vem conquistando platéias de norte a sul do país. Contatos: www.menegatti.srv.br - menegatti@menegatti.srv.br

18 janeiro, 2011

Internet: Uma porta escancarada para a democracia.

Por Rodrigo Lobato.


Clístenes. Você se lembra deste nome?

Ele foi considerado o pai da democracia ao inserir um regime de governo na Grécia controlado por mais de uma pessoa. Na Eclésia, os políticos do sexo masculino discutiam sobre assuntos referentes à população e à sociedade.

Me vem a pergunta: Clístenes foi mesmo o pai da democracia?

Domocracia, ou melhor, demokratia, vem do termo “demo”, cidadões; e “kratos”, o Estado.
Bom, só de ler o significado você já percebe que algo está errado.
Primeira falha do regime intitulado democrata de Clístenes: As mulheres não participavam.

(...) ????

Então não será democracia ????

Cenário político de hoje: Políticos respondem em nome dos cidadões. Pelo menos é assim que deveria ser, não é, Democracia Brasileira? Por acaso a população aprovou o aumento salarial dos políticos no final de 2010? Não. Nós não participamos desta escolha. Assim como de todas inúmeras outras.

Cenário da Internet: Julian Assange funda a WikiLeaks.Organização que visa divulgar para a web informações confidenciais do governo. Qualquer um pode ser um colaborador.
Agora eu pergunto:
Quem aqui é o pai da democracia?
 Os políticos, Clístenes, ou a internet, que nos deu o poder de falar abertamente?

Aproveitem e curtam este jogo do WikiLeaks... É simples: Quando Obama dormir, aponte para a direita com o mouse para que Assange insira a Pen Drive em seu computador e roube suas informações! 

17 janeiro, 2011

Meditar é preciso

Por Miguel Salomão

Procurando por soluções que acalmem a mente, é possível encontrarmos de tudo, desde técnicas de meditação até aulas de respiração.
E, claro, há todo um mundo audiovisual pronto para nos inspirar e apaziguar nossas mentes. Este post contém um vídeo dessa natureza.

É uma animação incrível que mostra como a mudança de um pensamento, ou de uma visão, através da meditação, pode mudar tudo. É um dos vídeos mais inspiradores que já vi. E muito bem produzido.

Ele nos mostra que temos a capacidade de nos transportar, de um estado de espírito para outro, gerando alterações profundas no nosso bem estar.

A lição que fica é que, mesmo quando você não pode mudar o mundo ou alterar a realidade a sua volta, você pode se transportar para um outro estado mental, onde há infinitas possibilidades de mudança.






14 janeiro, 2011

Buscar o sucesso desenfreadamente pode ser perigoso

Por Thaís Duarte

No ambiente profissional, nos deparamos com uma diversidade grande de personalidades e visões. Esta mescla de valores e conhecimentos é crucial para o desenvolvimento tanto da empresa como dos funcionários – principalmente para um departamento.

Há profissionais dedicados, sinceros e que vestem a camisa da empresa; os que adoram o que fazem e buscam a evolução a cada dia; outros que sentem prazer em auxiliar e ver todos crescendo, e ainda existem aqueles que, em busca do sucesso se corrompem e prejudicam suas áreas.

Com este, a empresa deve ficar sempre atenta, pois para alcançar algo que deseja podem prejudicar colegas, projetos e até mesmo a companhia. Estas pessoas não costumam assumir seus erros, sempre tem algum tipo de desculpa para justificar – ou simplesmente acusam outra pessoa –. Geralmente dão soluções enganosas para os seus colegas e quando mudam de opinião, fingem que sempre tiveram tal.

Este profissional é inseguro, imaturo e tem grandes chances de acabar mal, já que ninguém consegue se esconder por muito tempo.

13 janeiro, 2011

A Sinergia do Senhor dos Anéis

Por Flaviana Souza 


O grande escritor inglês, John Donne, redigiu um dos textos mais expressivos relacionado (também) à motivação empresarial: “Unidos somos todos maiores que somados”, é dele a frase que dá início a esse texto.
Dentro de uma organização a principal força motriz é a união dos “estilos”, das “loucuras” e das “formações diversificadas”. A junção das diferenças é o principal fator crítico para o sucesso das ações. E a aceitação e o aproveitamento das diferenças só existem quando um grupo de pessoas, de funcionários, é gerenciado e sentido como uma equipe trabalhando para o alcance da sinergia essencial.
Encontrei um vídeo com o texto completo de Donne. É brilhante a maneira com a qual o produtor do vídeo associou o texto ao filme “Senhor dos Anéis”, indicando que qualquer ação, qualquer aventura, qualquer fato, seja dentro de uma organização ou fora dela, deve ser trabalhado de maneira ímpar.
E a mensagem, a meu ver, primordial do texto é que “o impossível é apenas aquilo que ninguém teve a coragem de realizar”. É acreditando nesse pensamento que os objetivos estabelecidos tornam-se desafios emocionantes e são alcançados dando a oportunidade para que novas metas sejam traçadas.
Dica: concentre-se! Assista ao vídeo como se fosse um filme no cinema, quando toda a atenção está voltada à projeção. Concentração é a palavra-chave para atingir a real intenção da mensagem transmitida.

12 janeiro, 2011

O humilde será exaltado...

A confiança naquilo que fazemos e o senso de valor que temos a nosso respeito é uma coisa extraordinária. No entanto, quando este sentimento passa da conta, pode se tornar muito destrutivo. Segundo C.S. Lewis para descobrir quão orgulhoso você é, a maneira mais fácil é perguntar-se:

Quanto me desagrada que os outros me tratem como inferior, ou não notem minha presença?

A questão é que o orgulho de cada um está em competição direta com o orgulho de todos os outros. Dizemos que uma pessoa é orgulhosa por ser rica, inteligente ou bonita, mais isso não é verdade. As pessoas são orgulhosas por serem mais ricas, mais inteligentes e mais bonitas que as outras. Se todos fossem igualmente ricos, inteligentes e bonitos, não haveria do que se orgulhar.

É a comparação que torna a pessoa orgulhosa: o prazer de estar acima do restante das outras pessoas.

Nós devemos aprender uma lição com um dos maiores presidentes da história dos Estados Unidos. Uma noite, Roosevelt e seu amigo Beebe estavam caminhando pelo quintal da casa de Roosevelt em Nova York. Ele olhou cuidadosamente o céu crivado de estrelas e, ao encontrar uma nuvem luminosa na curva da constelação do Pégaso, disse: “Aquela é a galáxia espiral de Andrômeda. É tão grande quanto a nossa Via Láctea e composta por cem bilhões de sóis. É uma entre cem bilhões de galáxias”.


Em seguida, o presidente olhou para Beebe e falou:


“Agora já me sinto suficientemente pequeno! É hora de dormir”.





Prof. Menegatti é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro "Desperte seu Potencial Emocional", CD Motivacional "Marcado para Vencer", DVD "Campeão de Vendas". A cada palestra, o Prof. Menegatti vem conquistando platéias de norte a sul do país. Contatos: www.menegatti.srv.br - menegatti@menegatti.srv.br

11 janeiro, 2011

Como parar de fumar (versão não clichê)

Escrito por Rodrigo Lobato.






Caros (as),

Sou um ex-fumante. E como todo bom ex-fumante rogo pelo bem-estar dos que fumam! Entretanto, se você acender um cigarro, não vou lhe criticar. Isso seria hipocrisia do mais baixo calão.

Eu sou da classe de smokers que entende você.

Todos têm seus motivos para parar. E eu tenho algumas dicas para aqueles que caçam inspiração na hora de deixar o vício.

Não parei com o cigarro por ser prejudicial à saúde e causar câncer*. Tenho vários amigos sedentários, não fumantes, que não conseguem dar um passo quando jogam futebol. Sobem uma ruazinha um pouco íngreme e chegam chorando ao topo. 
*Quem quiser saber mais sobre o mal que o cigarro faz, leia aqui: http://bit.ly/gH5fHz

Eu sempre fui adepto a praticar esportes e meu rendimento não melhorou por haver deixado de fumar. Porém, quem toma aquela cervejinha na sexta e acende um “cigarrets” atrás do outro conhece muito bem o que vou falar agora: o pigarro. Aliás, o nome “pigarro” já é nojento por si só. Você nunca diria pigarro em uma frase romântica. Ex: Oi, senti muito pigarro de você ontem; Nossa, você tá um pigarrão hoje, vem cá!
Se não fosse este maldito pigarro, fumar seria perfeito( #not !).

Fumar nunca seria perfeito. Sabe por quê? Porque fumar significa mergulhar em um cinzeiro. Significa ficar com cheiro de cachorro molhado por todo o dia, todos os dias!
Eu não saberia disso se uma moça (salve Renata Briquet) em um bar não tivesse me chamado de cinzeiro. Foi a primeira vez que me chamavam assim. E olha que já abusaram da criatividade ao inventar apelidos para mim (o último, Montillo, meia do Cruzeiro).
Desde este dia cheirava meu dedo a cada cigarro. Esfregava sabonete. Passava álcool gel (É absolutamente normal se você estiver cheirando seu dedo neste momento)...
Se você mesmo assim não se importa com o cinzeiro cheiro forte que fica, sugiro que peça dicas ao diretor não-fumante da sua empresa.
Sim. Eles (os cabeças das empresas) levam este assunto à mesa de almoço e você pode ser vítima do que eu chamo de Síndrome de Retenção de Gastos do Diretor de sua Empresa (Não pensei em nenhum nome melhor...) É simples: quem fuma três cigarros por dia perde cerca de 1 hora de trabalho. Com um salário médio de 3 mil por mês, estaria dando o prejuízo de 375 reais para a organização. Agora imagine uma empresa com 1.000 funcionários. 50 deles fumam. Fazendo um cálculo aproximado, cerca de 20.000 reais seriam jogados no lixo todo mês. Ou melhor: no cinzeiro.

Enviem suas dicas não clichês para aconselhar nossos queridos fumantes! É só usar hashtag #100cliche !

10 janeiro, 2011

Como iniciar um movimento


Por Miguel Salomão


Algumas idéias nos convidam a analisar o que elas realmente querem dizer por horas ou dias - ou às vezes muito mais tempo. Idéias que inspiram em um momento ou a partir de um movimento a maioria das pessoas.

Semana passada eu vi um vídeo curto da apresentação de Derek Sivers na TED Ideas whort spreading, que diz se você quiser fazer uma mudança no mundo, as vezes, o verdadeiro truque é reconhecer uma grande idéia ou esforço e ser um dos poucos primeiros seguidores. Derek diz em sua apresentação, que se você realmente se importa sobre como iniciar um movimento, basta ter a coragem para seguir e mostrar aos outros como a seguir.


07 janeiro, 2011

Da série: Anedotas que não fizeram sucesso por ter uma conclusão "fail"

" Um corvo está sentado numa árvore o dia inteiro sem fazer nada.
Um pequeno coelho vê o corvo e pergunta: ”Eu posso sentar como você e não fazer nada o dia inteiro?”
O corvo responde, sorrindo: “Claro, porque não?”
O coelho senta no chão embaixo da arvore e relaxa. De repente, uma raposa aparece e come o coelho."

Conclusão: Para ficar sentado sem fazer nada. Você deve estar no topo.



Conclusão 2 (nossa): Quem não se mexe é presa fácil.

E, numa boa, sempre tem alguém no topo de alguém.

06 janeiro, 2011

A motivação em longo prazo e o condicionamento imediato

Por Flaviana Souza

É impossível discutir sobre motivação no Brasil sem citar Daniel Godri, presidente do Instituto Brasileiro de Marketing e Vendas, palestrante de sucesso (no país e exterior), apresentador do programa Desenvolvendo Talentos (TV Canção Nova) e autor de vários livros e material para cursos. O cara é simplesmente um gênio no assunto. E foi assistindo a um dos inúmeros vídeos de Godri (recomendo), que podem ser acessados facilmente através do youtube, que me deparei com um tema interessante: A Motivação versus O Condicionamento.
Engraçado como as duas coisas se confundem... É comum serem aplicados em empresas e instituições “programas de motivação”. E o que são esses programas de motivação? Geralmente envolvem uma determinada premiação aos funcionários que se destacarem por um motivo x. Os que mais venderem, ganham uma viagem para Paris, os que mais patrocínios conquistarem, ganham um carro e por aí vai. Ok, e se eu deixar de oferecer essas bonificações? A motivação acaba? É isso?
O erro incide nesse ponto. Na verdade essas promoções internas não podem ser chamadas de programas de motivação, porque não são. A execução dessas ações não é uma motivação para o funcionário render mais para a empresa, trabalhar com mais entusiasmo e prazer ou sentir-se parte da organização. O que se está fazendo, na verdade, é buscar uma solução em curto prazo com data de validade, afinal, assim que o prêmio for entregue, o marasmo volta a tomar conta da empresa. Podemos dizer que essas ações são ações de condicionamento, nas quais o que vale mesmo é o rendimento imediato e não o que deveria ser o verdadeiro intuito do programa, a motivação permanente.
Motivação é fazer com que o envolvido sinta prazer em realizar suas tarefas, sinta-se parte da organização, importante para o desenvolvimento da empresa e tenha gosto em trabalhar. É acima de tudo impulsionar em direção a uma meta. Convencer o seu funcionário que a empresa é um bem importante, não simplesmente porque deposita seu salário no final do mês, mas porque tem uma missão maior e precisa dele para conquistá-la dia após dia. Esse é o verdadeiro exercício de motivação.
Com certeza motivar é muito mais difícil do que condicionar. Requer um grau de envolvimento maior entre o funcionário, a missão, visão, valores e objetivos da empresa. Faz com que o funcionário compreenda o porquê da empresa existir, aonde ela quer chegar, o que precisa para chegar lá e que sua função (funcionário) é primordial para que esta obtenha sucesso. É a melhor maneira de se cativar esse funcionário e motivá-lo.
Antes de terminar gostaria de deixar claro que não sou contra o condicionamento do funcionário, desde que o objetivo seja cumprir metas em curto prazo, sem prospecção de conquistas futuras. Mas acredito que trabalhar com a motivação dá frutos mais doces e que podem ser colhidos durante um longo tempo. 

05 janeiro, 2011

O que é mais importante?

Se você quer saber alguma coisa sobre o caráter de alguém, veja como essa pessoa lida com o dinheiro. O industrial Henry Ford declarou certa vez: o dinheiro não muda os homens, apenas o desmascara. Se um homem é naturalmente egoísta, arrogante ou ganancioso, o dinheiro o revela, nada mais.

As pessoas geralmente se dão mal quando fazem da acumulação de riquezas uma prioridade maior do que é efetivamente. Nós temos que usar o dinheiro como uma ferramenta. No entanto, essa é uma ferramenta afiada, e se não for manuseada de maneira adequada, pode machucar e muito.

Em minhas viagens pelo Brasil, tenho encontrado muitos executivos que estão com sua vida pessoal despedaçada e seus lares destruídos. Eles costumam dizer: “Eu não entendo minha mulher, meus filhos. Eles têm tudo o que querem!” O que esses executivos não conseguem entender é que o dinheiro pode comprar qualquer coisa, menos o amor, o companheirismo, a integridade, o respeito.

Uma vez li sobre a lista impressionante de títulos e posições que o pai, George Bush conquistou: congressista, embaixador, chefe de relações junto ao governo da China, diretor da CIA, vice-presidente e finalmente presidente dos Estados Unidos. Mas quando sua vida pública chegou ao fim, ele disse que ainda mantinha seus três títulos mais importantes: marido, pai e avô.

Ter uma família forte e estável cria uma plataforma sólida para muitas outras oportunidades de sucesso durante a carreira profissional e garante um porto seguro no fim da jornada.



Prof. Menegatti é conferencista em Vendas, Motivação e Liderança. Entre seus produtos estão: o Livro "Desperte seu Potencial Emocional", CD Motivacional "Marcado para Vencer", DVD "Campeão de Vendas". A cada palestra, o Prof. Menegatti vem conquistando platéias de norte a sul do país. Contatos: www.menegatti.srv.br - menegatti@menegatti.srv.br

04 janeiro, 2011

GPS inteligente!

Por Thaís Duarte


Perder a paciência com o seu GPS, não resolve nada, mas brevemente o tom irritado fará com que o aparelho lhe dê retorno.
Cientistas da Universidade de Cambridge (Inglaterra) desenvolveram um sistema de GPS, que reconhece as expressões faciais e o tom de voz do motorista. Quando o dispositivo detecta as caretas ou a voz impaciente do condutor, logo responde com frases simpáticas, a fim de acalmá-lo.
Por enquanto, o protótipo obteve 70% de acertos no quesito emoção humana, mas será que apenas expressões simpáticas irão modificar o humor do motorista que está perdido com o mal funcionamento do seu GPS?




Fonte: Engadget.com

03 janeiro, 2011

O comportamento da geração Y

Este vídeo é o resultado de vários estudos sobre as tendências do comportamento de consumo. O vídeo é sobre a geração Y, ou os chamados Millennials. Em uma linguagem simples, você é convidado a fazer uma viagem no tempo e entender como foi moldado o comportamento dos jovens de hoje.


Eles nem chegaram ao mercado de trabalho, mas já demonstram que vão se comportar de uma maneira diferente, um desafio a mais para os chefes do futuro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...